Loading

18 de fev de 2011

Eu me sinto...

Ultimamente tenho me sentido como se as forças tivessem se esvaindo, cada ato, cada gesto tem sido muito sacrificante para mim, muitos problemas a resolver sozinha (a maioria nem consigo) não que eu seja frágil ou medrosa (até porque a vida não me deu possibilidade de escolha), mas é algo que vai muito além do meu entendimento.
Eu não sou de reclamar, tento seguir meu dia com o maior bom humor do mundo, até porque as pessoas que convivem comigo não tem culpa de absolutamente nada, mas hoje preciso botar para fora essa dor, essa carga, esse peso que dia-após dia matou minha alegria, destruiu minha beleza, acabou com meus passos de dança que outrora foram leves.
Quando o Beto se foi, não demorou para eu descobrir que o mundo é feito para os fortes, em qualquer sinal de fraqueza a vida te engole, e partir daí eu me tornei uma leoa, descobri uma força dentro da minha dor que até então eu desconhecia, tinha muito medo de perder a ternura, de perder o colorido que eu sempre enxerguei na vida, lutei muito contra isso, em todos os sonhos (que no início eram frequentes) ele me pedia isso: "não perca o colorido, não deixe de dançar, não deixe de se divertir, não deixe de viver". E eu fazia um esforço enorme para que isso não acontecesse, mas aos poucos eu fui me perdendo de mim mesma, tudo foi embora, a vaidade, o colorido, a vontade de se divertir, fui "murchando", e eu tinha pânico, pavor de me acostumar com a solidão, de me tornar uma pessoa pouco sociável, de me tornar uma pessoa amarga, mas de uns dias pra cá percebo com um grande espanto que eu já me acostumei com tudo isso, eu já me acostumei...
A situação está cada vez mais difícil, junto com minha tristeza e meu dia totalmente sobrecarregado, vem uma série de problemas que eu não sei como lidar, não sei como resolver (existem situações que é praticamente impossível se resolver sozinha), parece que essas chuvas impiedosas que caem em São Paulo, teimam em destruir minha casa, muita água, muita telha quebrada, muita destruição, a chuva também leva minha força..
Eu sempre questionava a Deus porque não fui eu...porque foi ele? eu trocaria sem hesitar por um minuto de lugar com ele...mas hoje eu já sei a resposta: Porque ele não iria aguentar, ele não iria aguentar...
Eu amo meu Santhiago e meus filhos de quatro patas, amo muito, luto por eles todos os dias, mas eles não substituem meu bom José, não existe manual que  nos ensine a ser forte, a ser um polivalente, a ser uma mulher-maravilha, não existe...
Tenho estado por um triz por todo o tempo, o tempo todo...Pareco uma bomba relógio pronta a explodir a qualquer momento, não é fácil ser o único provedor de um lar, ser a mãe o pai, a doméstica, o pedreiro.. a moça que tem que estar bonitinha e arrumadinha com um sorriso no rosto as 6:hs da manhã, e quando volta no final da tarde tem a segunda etapa que está apenas começando, aí a moça tira o batom e não sabe por onde começar: Se supera seus medos e seus traumas de infância e sobe em um telhado tentando consertar o que ainda resta, se faz a janta, se brinca com seu filho, se limpa a casa, se ajuda seu filho com a lição etc...
Quando na verdade a única vontade dessa moça é se trancar e chorar todas as lágrimas que tiver para chorar para ver se essa dor toda vai embora e suas forças voltem, ou simplismente sair contra o vento sem tempo nem data para voltar... É como uma tela ou uma camiseta que um dia eu comecei a pintar e que ficou apenas no esboço, que vai ficar inacabada para todo o sempre...

10 comentários:

lolipop disse...

Amiga querida..
Eu entendo vc. Essa tua luta diária deve ser tudo menos fácil, ao pé disso, sinto raiva de mim mesma pelos momentos em que me queixo.
Mas Santhiago é a sua luzinha no fundo do túnel, e ele vai-te dar forças...ele e Beto, que tenho a certeza, tem o maior orgulho de vc!
Eu...tenho a maior admiração e carinho!
Força aí amiga!
BEIJOS CARINHOSOS
TERNURASSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

Maria Helena disse...

Olá, querida!
Lolipop disse tudo:" Santhiago é a sua luzinha no fundo do túnel, e ele vai te dar forças...ele e Beto.." Penso também assim: Santhiago aponta para o futuro e , de certa forma, lhe impulsiona à sobrevivência. Por ele, tenho certeza, você remove montanhas. E é o que tem feito no seu dia a dia tão difícil.
Muitas luzes pra vocês.
Bjs!
Durma bem!

Sônia Cristina disse...

É...
mas é que me faltam forças mesmo, talvéz força física não sei!

a prática é bem diferente da teoria (isso é fato)!
Obrigada amigas.

Nilce disse...

Oi minha querida amiga Sônia.
Deus nos coloca em caminhos difíceis para testar nossa fé.
A vida é feita de altos e baixos e você deve sim acreditar que um dia tudo isso irá passar e ficará só os bons momentos.
Não tenho capacidade para mensurar a sua dor, mas preciso de te dizer que Deus existe sim, e que você precisa confiar nEle.

Adoro você!

Bjs no coração!

Nilce

Néia disse...

oi Sonia...
Quando perdi meu filho, queria ter ido junto e assim como vc fiquei sem entender de como Deus podia fazer isso comigo e com meu filho. Chorei, desejei morrer e me fechei pro mundo. Mas em pouco tempo percebi que tinha uma filha que precisava de mim, de sentir também amada e necessária e que eu teria que lidar com essa dor olhando pra ela de frente sem medo. Dói, dói demais e a gente acha que não vai aguentar.Mas não ceda, continue forte, primeiro por você e depois por Santhiago que já perdeu o pai e com certeza não pode perder você.Imagino a dificuldade de estar sozinha, gerenciar uma casa,ter que dar um jeito sempre.Sei que nem todos os problemas são físicos ou emocionais, alguns são econômicos e aí parece impossível mesmo.Mas saiba que tem amigos e que para tudo se dá um jeito.
Beijos de paz e muito amor neste coração que ainda ser feliz novamente.Não sei o por que mas nunca consigo escrever pouco, sua história me deixa sempre sensível, com vontade de gritar...

Faa Cintra disse...

Infelizmente são coisas da vida, e nós, quem somos nós para mexer nisso??

A solução é apenas viver

Anônimo disse...

Embora não te conheça e passei pelo teu blog hoje a primeira vez, percebo que você, tal qual minha mãe que também se chama Sônia, tem uma força de vontade de viver e de superar obstáculos digna de elogios. Minha mãe perdeu um irmão em 89 e, cinco anos antes, teve um filho deficiente visual; por coincidência, essa pessoa está agora aqui teclando pra você. Não só eu nasci cego mas com uma doença chamada Osteopetrose que fragiliza os ossos por excesso de cálcio e também faz com que eles ocupem espaços que não são deles e assim lá se foi meu nervo ótico. O caso é que normalmente a média de vida de uma pessoa com esse problema é de dezoito anos. Eu, graças a Deus e à teimosia da minha mãe e à força do meu pai, que mesmo nas dificuldades não desampararam a família, hoje tenho 26 anos e através de um programa que lê para mim, teclo pra você. Claro que não tenho como medir a dimensão do problema de quem perde tudo com freqüência, mas assim como na música "Rock'n Roll Lullaby", espero que você, ajudando teu filho no que ele precisa, também vá se confortando, porque assim, vocês passarão pelos dias solitários e noites longas. E claro, em uma noite que você queira chorar, faça isso, porque não se deve reprimir os sentimentos, embora não se deva prender a eles também. Tudo que é contido no corpo, seja alegria intensa, raiva intensa, tristeza intensa ou até medos e preocupações intensos fazem mal a você. Viva e lute sempre porque você mesma sabe: Deus preparou uma missão pra você e te deu força pra agüentar!

Coragem sempre!
André Baldo.

Sônia Cristina disse...

André,

Eu gostaria muito de ter respondido seu comentário por e-mail, mas não estava disponível, gostaria muito de poder agradecer suas palavras tão lindas, uma rapaz tão maduro para a pouca idade que tem, um exemplo apra todos nós, tomara que um dia eu tenha sua força.

Se passar por aqui e desejar me manda o enderçeo do e-mail.

bj

Lúcia Soares disse...

Sônia, é de chorar lendo o André. Meu Deus, que menino lindo!
Eu que falo tanto que a tecnologia nem sempre é para o bem, me curvo a esta, que proporciorna a ele poder lhe escrever.
Menina, cada dor é uma dor, só a gente sabe.
Mas cada dor passa.
Mesmo que nos custe lágrimas de sangue.
Santhiago está aí, perfeito e pronto para lhe ajudar, na hora certa.
E tantos "Andrés" lindos e sábios, que aceitam a vida como ela veio.
Você vai conseguir, tem um "mundo" de pessoas lhe mandando energia positiva.
Beijo!

Anônimo disse...

Valeu, Lúcia, pelo comentário! Na verdade, como bem disse você, a tecnologia que eu tenho me ajuda bastante e, volto a dizer, o estímulo dos meus pais e a união com meus amigos tanto virtuais que vivem comigo no Skype e MSN quanto reais, pois tudo é força positiva e vibração! E o nosso dever, independente de crença ou religião, é ecoar essa força que recebemos!

Força pra ti também!
André.