Loading

7 de mar de 2011

Balada de Gisberta - Maria Bethânia...

Essa música conta a triste história de um transsexual Brasileiro que foi brutalmente assassinado na cidade de Porto, em Portugal no ano de 2006. Gilberto, ou melhor: Gisberta sofreu todo tipo de violência física e verbal por mais de dois dias seguidos nas mãos de um grupo de adolescentes entre 12 a 16 anos de idade.

O Compositor Pedro Abrunhosa, fez essa linda homenagem, a Gilberto ou Gisberta que já brilhou em palcos de tantos carnavais, e não precisa falar muito, a interpretação de Maria Bethânia é ímpar (como sempre), é de tirar o fôlego, e penso: ONDE VAI PARAR TANTA VIOLÊNCIA?. Até quando o "diferente" tem que ser punido com porradas na Escola ou com a própria vida?

Enquanto isso, continuo sonhando com dias melhores para os nossos filhos, inconformada com a crueldade que assola o mundo e imaginando, como disse Jhonn Lennon: "IMAGINE QUE EXISTA PAZ, E ESSE MUNDO VAI SER UM SÓ"...

BALADA DE GISBERTA
(Pedro Abrunhosa)

Perdi-me do nome,
Hoje podes chamar-me de tua,
Dancei em palácios,
Hoje danço na rua.
Vesti-me de sonhos,
Hoje visto as bermas da estrada,
De que serve voltar
Quando se volta para o nada.
Eu não sei se um Anjo me chama,
Eu não sei dos mil homens na cama
E o céu não pode esperar.
Eu não sei se a noite me leva,
Eu não ouço o meu grito na treva,
O fim quer me buscar.
Sambei na avenida,
No escuro fui porta-estandarte,
Apagaram-se as luzes,
É o futuro que parte.
Escrevi o desejo,
Corações que já esqueci,
Com sedas matei
E com ferros morri.
Eu não sei se um Anjo me chama,
Eu não sei dos mil homens na cama
E o céu não pode esperar.
Eu não sei se a noite me leva,
Eu não ouço o meu grito na treva,
E o fim quer me buscar.
Trouxe pouco,
Levo menos,
A distância até ao fundo é tão pequena,
No fundo, é tão pequena,
A queda.
E o amor é tão longe,
O amor é tão longe
O amor é tão longe
O amor é tão longe...

16 comentários:

Pandora disse...

Pois é, somos duas pensando em até quando o diferente vai ser punido por ser diferente!!! O mundo não é mesmo um lugar fácil, mas gosto de pensar que trabalhando duro, não deixando absurdos passarem em branco, divulgando novas ideias, falando a respeito, tendo atitudes, educando melhor nossos pequenos a um dia chega lá. Pode dizer que sou uma sonhadora, sou mesmo!!! O que seria de nós sem os nossos sonhos néh?!?!

Silenciosamente ouvindo... disse...

Concordo com o comentário de Pandora. Quando as pessoas compreenderem que cada qual tem o
direito de ser o que quiser, que
o corpo é em primeiro lugar de si
próprio...tudo poderá ser diferente.
Aquilo que também me irrita, é "os
que se escondem do que são" não
assumirem...e talvez sejam a maioria...se o fizessem dariam
mais força e já não se diria
tanto "ser diferente".
Bj.
Irene

lolipop disse...

Soninha...
Claro que eu conheço bem a história, um acontecimento que pura e simplesmente me entristeceu e me horrorizou...mas não conhecia essa interpretação da Bethânia.
Parabéns por ter trazido a lume um caso que precisamos nã esquecer!

BEIJOSSSSS CARINHOSOS

Néia disse...

Oi minha querida...
Ser diferente é como carregar uma marca,que é percebida e repudiada por alguns.Acho às vezes que é a coragem justamente do diferente que causa o ódio em seu quase semelhante. Precisa de muita coragem para se lançar ao mundo e ser contrário a algumas convenções já preestabelecidas historicamente pela sociedade.O triste é as pessoas não entendem que é justamente nas diferenças que acabamos sendo iguais.
beijos de final de feriado...

Maria Helena disse...

Querida, no dia da mulher você se destaca como símbolo de luta e fé!
Parabéns por ser uma pessoa que transpõe obstáculos e faz de cada um deles uma poesia! Obrigada por nos presentear com a sua presença!
Feliz dia da Mulher!

Nilce disse...

Até quando? É o que todos perguntamos Sônia. Eu continuo lutando e tendo fé que isso um dia há de acabar.
Linda a letra e a interpretação de Bethânia.
Parabéns pelo post.

E Parabéns também pelo nosso dia querida amiga.

Bjs no coração!

Nilce

Néia disse...

Oi Sonia...
não poderia deixar de passar aqui hoje, pois nestes últimos nove meses neste mundo de blogs, talvez você é a pessoa que mais me sensibiliza quando leio algo,não me referindo a ter pena ou dó, mas admiração. Admiração por um ser mais que humano que mesmo sem querer teve que aprender a caminhar com seus próprios passos com muito equilíbrio, pois não há possibilidades de tombos,pois Santhiago está no colo. Te leio e tenho orgulho,pois ter que reescrever uma história tão linda é só para quem ama muito e tem coragem. Muitos colocariam uma pedra e ponto final, mas você não, você faz da tristeza um motivo para ser feliz, para lembrar do amor e dos momentos de felicidade.
Ser mãe, mulher e poder compartilhar com alguém já é difícil, imagino sempre estar agora só e ter que continuar, como vc mesmo diz, renascer.
Quando te leio olho para os problemas e aí eles ficam até menores, pego você como um exemplo bom de pessoa, e olha que isso anda difícil hoje em dia.Continue sempre assim, responsável,dedicada,
envolvida com a sua história. Mas de coração espero que um dia vc recomece e encontre alguém tão especial como foi o Beto, sei que é impossível,mas sei que ainda vai ser feliz, muito feliz novamente.
Beijos e feliz Dia da mulher merecidamente, você merece mais do que ninguém. Beijos no Santhiago

Sônia Cristina disse...

Oi Néia, obrigada minha flor!

vou te contar um segredo: há uns dois meses atráz eu estava a ponto de excluir o blog, ou escondê-lo, o meu propósito estava quase no fim, mas de repente eu percebi que o Beto e o Santhiago não eram mais só meus, e eu não falo isso por mim é por eles mesmos, foram pessoas como você e tantas outras (não vou citar o nome para não ser injusta com nenhuma delas) que me incentivaram a continuar, não por uma obrigação, mas talvéz como um desabafo e para dividir a dor com pessoas que hoje me são caras.
Um dia Néia, eu vou te dar o afago que eu tive vontade há dias atráz..

AMO-TE!

Francisco Domingues disse...

Olá, Sônia!
Anda por aqui tanta emoção! E isso é bonito de se ver e de se sentir! No seu blog, é para si de certeza uma lufada de ar primaveril que lhe dá força para viver, não é? Ontem, Dia da Mulher, lembrei tantas mulheres que por esse mundo tão maltratadas são e que tanto sofrem, quantas vezes inutilmente e, quase sempre, injustamente! Esperemos que o mundo melhore! E para isso, vamos todos lutar!
Saudações cordiais.
Francisco

Faa Cintra disse...

Infelizmente são coisas desse tipo que temos conhecimento.
O problema é que a midia não mostra o lado bom das coisas...
Se essa tragedia aconteceu, garanto que por trás das camêras coisas boas acontecem a transexuais...

Sônia Cristina disse...

O que será que acontece de boas boas com transexuais que a mídia não mostra?
Citei o caso Faa pra incluir a música, mas a violência e pública e notória, está em todos os lugares, meu filho foi espancado na Escola e não saiu na mídia.
O que eu vejo é a violência pura escancarada todos os dias, na porta do meu trabalho, na rua em que o Paulinho é exposto, o que será de bom que acontece com transexuais que a mídia não mostra?

Lúcia Soares disse...

Estou reaprendendo Maria Bethânia...
Com você e com o Hugo, do blog nosso-cotidiano.com.br
Nada a dizer.
Beijo!

Silvany disse...

Sônia.
Quero escrever o prefacio do seu livro!
Te adoro a cada dia!
Beijo em Santhiago.
Shalom.

Ney Furtado disse...

E também tem somos donos da nossa própria mente e desejos...
Temos nossas liberdades de escolha que ninguém pode nos tirar isso.
Não só no Brasil mais em outros países, gente isso é um absurdo, quem quer morrer e ainda ser brutalmente morto por pessoas de pouco conhecimento?
quem, mais quem pode ter esse direito de escolher a morte de outra pessoas?
fico triste todos os dias quando eu leio alguma coisa desse tipo.
mais vamos em frente e tudo vai ser resolvido basta ter um governo justo que lute do nosso lado...