Loading

10 de fev de 2011

Os Dias de Ausência...

Não foi uma ausência programada, foi uma ausência meio forçada por problemas de saúde, problemas na internet, fatos que escapam do nosso controle, em um minuto você está totalmente bem, mas numa fração de segundos, tudo muda o tempo todo, tudo muda constantemente e nem sempre aceitamos, nem sempre estamos preparados para tais mudanças, mesmo que momentâneas, as mudanças sempre vem acompanhadas de medo, insegurança, enfim...
O Lado bom? descobrir que traçar essa história em pequenos trechos, é um dos maiores projetos em minha vida, descobrir que mesmo minhas escritas mesmo não sendo tão alegres,  me fazem feliz, viver, reviver tudo que tive, tudo que esse homem maravilhoso me deu,  descobrir como fiz amigos por aqui, descobrir como é bom após 20 dias ausente, ver a preocupação verdadeira dos amigos reais que tenho nesse mundo virtual...
Engraçado. Quanto o Beto estava comigo, eu prezava muito meus momentos de silêncio e solidão, constantemente eu o pedia para sair com o Santhiago para que eu ficasse a sós comigo mesma por uma tarde, ou até por algumas horas, sempre amei o silêncio de minha casa, sempre amei minha casa, hoje só em pensar que vou ficar sozinha me sinto apavorada, o silêncio me traz um choro compulsivo, me traz uma saudade latente, doída sofrida, sufocante.
Quando meu bom José se foi eu decidi que não sairia daqui nem por um minuto, ao contrário da maioria das pessoas que sofre uma perda profunda, eu permaneci aqui desde a primeira noite sozinha, tentando me acostumar com a vida que eu não queria aceitar (aliás não aceito até hoje), mas ultimamente algo tem mudado com muita rapidez dentro de mim: Continuo amando meu cantinho, minha bagunça organizada, o cheiro que tem cada milimetro desse meu espaço, mas sinto que preciso sair daqui, sei que ele irá comigo aonde eu for, e não quero tirá-lo de dentro de mim, mas preciso deixar de pensar nele 24 horas por dia todos os dias.
No início eu me recusava a acreditar e pensava: "Qualquer hora ele vai adentrar por aquela porta e eu vou brigar muito com ele por ter feito comigo uma brincadeira tão sem graça", e eu dormia sempre de frente para a porta (nunca virava as costas) porque não queria perder o momento da entrada dele.
No início os sonhos (ou encontros) eram bem mais frequentes, hoje são tão espaçados que quase não mais existem, sinto mágoa dele por isso,ele se foi sem ao menos me preparar para isso, sem ao menos se despedir, e nem em sonhos me dá a graça de sua presença, de sua ajuda.
Os questionamentos do Santhiago são cada vez mais frequentes, e o fato dele não se lembrar da voz do seu pai dá um certo desespero nele. Santhiago se lembra com nitidez de fatos de quando ele tinha menos de dois anos de idade, mas não se lembra da voz, isso lhe causa muita aflição, outro dia ele pediu um DVD do aniversário para assistir, mas  não conseguiu.
É muito difícil perder alguém que era tudo na sua vida, sou uma pessoa muito reservada, família para mim é a que construi após meu casamento, sendo assim, o Beto era absolutamente tudo para nós dois, perdi tudo em um só dia, meu irmão, meu melhor amigo, meu pai, meu companheiro, meu braço direito, meu amante, meu namorado, meu marido, o pai do meu filho...
Tanto tempo se passou...nesses dias ociosos que tive, eu sentia o seu cheiro como se ele tivesse saído de perto de mim há meia hora atráz, é muito estranho: Eu comparo com uma dependência quimica, onde o dependente diz: SÓ POR HOJE! Eu me sinto assim, exatamente como um dependente químico, com a diferença que o dependente tem recaídas e nelas tem o objeto de desejo, eu vivo em recaída, mas não posso satisfazer meu desejo. Ele se foi, ele não volta, mas o amor, a paixão, a saudade, a vontade de dar um abraço, de cortar suas unhas, de rir de suas piadas sem graça, de ouvir sua voz ao ligar para casa e ele falar OI, é cada vez mais latente dentro de mim. É MUITO AMOR.
Com o tempo você para de falar sobre sua dor com as pessoas, porque ninguém tem paciência para ouvir dor e lamententação o tempo todo, é nesse ponto que a escrita vai entrando em sua vida, e cada vez mais ela se faz necessária, aqui eu expresso todos os meus sentimentos, sem medo, sem censura, e foi com meus amigos virtuais que são reais que aprendi a me manifestar...
Aqui eu posso sempre me expressar seja em forma de post ou de lágrimas a tremenda injustiça que é viver sem meu bom José....

SÓ POR HOJE...

11 comentários:

Néia disse...

Oi Sonia...
Que bom que voltou, estava preocupada, mas sei que às vezes precisamos de muito silêncio para ouvir o coração.Novamente vou me repetir, pois acho seus depoimentos poéticos a expressão mais pura de um amor que com certeza vai durar a vida inteira.Sempre quando acabo de ler você, peço a Deus para te dar forças para conseguir entender tudo o que aconteceu e tocar a sua vida em frente e ser feliz novamente.Sei o quanto é difícil perder alguém, vivemos entre a realidade e a fantasia, achando que tudo vai passar e voltar como antes.Como já disse enm outros posts, sua vida é um maravilhoso livro com lições de amor e sobrevivência.Força e escreva mesmo, muito até se sentir leve que nós vamos estar do outro lado te sentindo, te ouvindo e torcendo por você e Santhiago.Você sempre me faz escrever muito, peço desculpas...
Beijos e paz na sua vida.

Nilce disse...

Oi Sônia querida

A ausência é necessária principalmente para você se encontrar.
Grite, chore, fale, desabafe, porque aqui você pode e é você quem manda.
Pode ter certeza minha querida, que tods esses pensamentos, sonhos e esta dor que te maltrata tanto, vai tranformar-se num carinho, numa saudade mais leve dos bons momentos.
Pode acreditar. Fique bem e em paz.

Bjs no coração!

Nilce

Maria Helena disse...

Oi, querida!
Nem sempre as ausências são ausências. A sua, por exemplo, não é! Você é uma pessoa marcante e deixa rastros.
É salutar fazer uma pausa de vez em quando. E às vezes a vida nos dá algum obstáculo, como um problema no computador, para que a gente seja obrigado a olhar para o interior.
É como se a gente precisasse recarregar energia.
Eu senti essa necessidade recentemente. Aliás, estou um pouco em pausa também.
Mas continue sua história porque ela será luz para muitos passantes do caminho!
Um dia de muita luz e um final de semana maravilhoso.
Beijos para você, Santhiago e os filhinhos de quatro patas.

Lúcia Soares disse...

Toc, toc! Licença?
Que bom que voltou!
E com um texto lindo, um grito de amor, inconformismo, saudade, dor..
Não é fácil.
Não posso nem imaginar, a dor é sua, não dá pra ninguém vivê-la por você.
Somenta a título de consolo, lhe digo que, psicologicamente, seu tempo de sofrimento "real", de sentir falta física - não de sexo, mas de presença, de sentir cheiro (espero que nunca se acabe, deve ser bom demais sentir o cheiro da pessoa amada, imaginar que ela possa estar ali), da dor parecer até física, está se esgotando.
Sim, querida, ela passa.
A vontade de ver não morre nunca, a saudade é constante, mas a dor passa. E fica a sensação boa que se teve um bom amor, que vale a pena recordar.
No mais, é despertar para a vida, para outras pessoas, porque senão é dilacerante, e quem se foi sofre junto com você.
Seu bom José está ótimo, vela por vocês, mas quer muito que sejam felizes. Para ser feliz também!
Beijos no Santhiago. Por mais que ele sofra a perda do pai, ele sofre a sua dor, Mãe.
Faz o teste: se está triste, ele fica triste.
Se está alegre, ele fica alegre! Ele é um menino amoroso, numa idade muito delicada (há idade "boa" para se perder um pai ou uma mãe?!), mas tem a vida pela frente e uma lembrança que ninguém lhe tirará.
Beijos!

Faa Cintra disse...

Já não sabemos se é bom ou ruim. Não sabemos se precisamos nos livrar disso, ou não...

lolipop disse...

SONINHA!!!
Que bom que vc voltou!! Eu já tinha perguntado prá Maria Helena se ela sabia alguma coisa de vc, mas ela não me disse nada.
Esteve doente?
Espero que tudo agora esteja melhorando...
Blogue é pra isso mesmo, amiga querida, pra desabafar, postar o que nos preocupa, o que gostamos, o que nos entristece e o que nos alegra.
Eu sei...todas as perdas são uma injustiça...e a saudade existe sempre, apenas se vai transformando numa coisa mais doce, um pouco mais leve, como uma bolsa que carregamos sem pesar...
BEM VINDA DE NOVO!
CARINHOSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

Blog da Fofa disse...

Oi Sonia, que bom que conseguiu resolver o problema no pc, mas da saúde eu não estava sabendo. Já melhorou? Espero que sim. Estava com saudades dos seus textos. Assino embaixo do comentário da Maria Helena. Um grande bjo. Te adoro.

Sônia Cristina disse...

Néia,
Sua história de vida é linda, de força, de amor, de coragem, de superação. Uma vez comentei em OFF que seus comentários nos meus posts são a extensão deles próprios, me enriqueça sempre com sua sabedoria, sua força, seus ensinamentos que absorvo a cada palavra.
Eu quero me encontrar sim eu busco o encontro comigo mesma todos os dias. SO NÃO SEI MUITO BEM AONDE ESTOU (Renato Russo)
Mas eu vou me achar querida, juro que vou, não dizem que o tempo cura tudo, então??

Lucia,
você hoje (já disse no seu) me emocionou muito, eu precisa ouvir, ler isso, passar não vai, mas talvéz em um futuro próximo eu me acostume, É verdade! Santhiago só está bem se estou bem, é por isso que tento ficar bem, rir sempre (mesmo quando não tenho um minimo de vontade)

Nilce,
Te contar uma coisa:
Desde a primeira vez que vi sua foto, achei seu sorriso uma das cosias mais sinceras que já vi na vida.

Maria Helena,
Meu amor por você é público e notório, foi você que me trouxe tanta luz, tanta paz, foi você que me ensinou a não ter medo de escrever, nessa minha ausência eu pensava muito em ti, porque sei o quanto gostas de mim.

Faa adoro o que escreve, poesia meio sensual sem perder a ternura, a minha maior surpresa no retorno foi você, obrigada pelos papos, idéias e afins...

Lolipop é uma flor, como o próprio nome dela.
Generosidade em pessoa.
Estive doente sim amiga, vários probleminhas físicos que somados viraram um problemão, mas envergo apenas, nunca quebro, e cá estou eu...

Linda Carol!
Saiba que estou aqui sempre.

Amo-lhes

Néia disse...

Oi Sonia...
Só passei pra te deixar um beijo e desejar um ótimo final de semana e te dizer que mesmo de longe, distância real, é claro, me sinto muito próxima na virtual e estou do seu ladinho torcendo sempre e muito pra que tudo se encaminhe na paz e felicidade para vc e o lindo Santhiago.
beijos

Lililooks disse...

Olá menina as vezes eu tbm quero meu minuto de paz, mais as vezes na´s minhas oraçöes eu agradeço muito a Deus pela bagunça dos filhos e o silêncio da presença do meu marido, porque ele está em casa só o corpo a cabeça está em outro lugar,rsd! säo coisas simples as vezs banais que faz nos sentir algo tanto rara diante de algumas situaçöes, quando o fofo vai de viajem a casa é um vazio tremendo estou muito acostumada ver ele no cantinho dele no sofá mesmo em silêncio a maioria das vezes que sinto falta dele e do silêncio dele.rsd! um bjo que Deus te abençoe sempre.

Beth/Lilás disse...

Queida Sônia!
Eu também não tenho tido tempo para visitar assiduamente meus amigos virtuais, mas mesmo atrasada, venho aqui para deixar-lhe meu abraço carinhoso, de apoio, de entender que o que sofre eu também sofreria, somos todos iguais nessa vida e a dor de quem ama é a mesma.
Fica firme porque teu filho está aí, precisa de ti e ele só poderá ser feliz se você assim estiver.
um abraço apertado e muitos beijinhos cariocas