Loading

17 de dez de 2010

A Magia da Gentileza...

Quando o Beto se foi, eu me tornei materialista,  fiquei muito apegada a seus objetos pessoas, roupas, tênis, jaquetas, CDS, colares, brincos. As roupas que estavam sujas eu não lavei era como se ele estivesse dentro delas, o cheiro ia ficando cada vez mais distante, mas era assim que eu o mantinha próximo de mim, passado alguns meses eu comecei a ter sonhos frequentes com o Beto onde ele pedia que eu o deixasse ir, e eu tentava desesperadamente libertá-lo.

Eu trabalho na Barra Funda, Avenida Marques de São Vicente, e foi no inverno do ano passado que comecei a amadurecer a idéia de doar suas roupas, principalmente suas jaquetas. Todos os dias eu ando a pé a Marques de São Vicente por uns 10 minutos até chegar ao meu trabalho, e me partia o coração ver naquele frio um rapaz morador de rua encolhido embaixo da cobertura de um Banco, ele usava um moletom fininho, fazia uma cabaninha de papelão e cobria o corpo com jornal, ficava tão encolhido que parecia uma criança, eu tentava ignorar aquela cena que eu via todos os dias às 5:30hs da manhã, mas eu não conseguia..(e sabia que era chegada a hora de me libertar de objetos que meu Beto não precisaria mais, e isso fazia parte do meu aprendizado, do aprendizado do meu bom José, do aprendizado do nosso Santhiago).

Em uma madrugada mês de maio de 2010 - 5:30hs da manhã, o frio e a chuva castigavam São Paulo.
- Moço eu preciso falar contigo (ele se senta e eu me sento no chão ao lado dele).
- Pode falar moça.
- Como você se chama?
- Paulo...mas pode me chamar de Paulinho, e a Sra?
- Não precisa me chamar de Senhora, devemos ter a mesma idade, me chamo Sônia (ele olha dentro dos meus olhos).
- Paulinho, porque você não vai para um abrigo? essa noite fez 2 graus.
- É difícil Sônia, são muito moradores de rua, no frio eles dão prioridade para os idosos e para as crianças
- Não sei como você não morre de frio, como você se aquece?.
- Eu tomo uns goles de pinga pra aquecer (extremamente constrangido).
- Paulinho, eu tenho um monte de roupas em casa que servem direitinho em você, inclusive roupas que nem foram usadas, vou te trazer uns cobertores também, mas você tem que me prometer uma coisa.
- O que quer que eu prometa Sônia? (olhos cheios de lágrimas).
- Que você não vai trocar nada do que eu te der por drogas ( meus olhos cheios de lágrimas).
- Eu não uso drogas Sônia, os goles de pinga são só pra me aquecer.
- Olha Paulo, essas roupas e sapatos que eu vou te dar são de uma pessoa que amo muito, meu marido, ele se chamava José Roberto, você me entendeu?
- Entendi, e te prometo que cuidarei delas como de um filho que um dia eu quiz ter...

A tarde, quando cheguei em casa arrumei as malas de Paulinho, não tive dó, nem dei o que eu não queria mais, dei o que eu tinha de melhor, senti a vibração do meu marido aprovando tudo aquilo, eu estava feliz...
A partir daquele dia ele comecou uma amizade tão bonita comigo, todos os dias, (aliás quase todos) me dizia "Vá com Deus, bom trabalho, que o seu dia seja repleto de flores, você é um anjo"..., mas eu percebi que em alguns dias ele não falava comigo, quando eu passava na calçada do Banco, ele cobria a cabeça com o Edredon e isso comecou a me intrigar, mas eu não perguntava porque, e isso se tornou cada vez mais frequente.

 No mês passado eu o encontrei na padaria (ele não estava usando nada do que eu dei) mas me disse que tinha absolutamente tudo não se desfez nem de um par de meias, e ressaltou o bem que aquele presente fez a ele, falando principalmente de um Tenis All Star (já bem velho) e algumas camisetas pintadas por mim. (só então  me dei conta que todas as vezes que ele vinha falar comigo não usava as roupas).

Resolvi que Paulinho iria usar nesse Natal um tênisAll Star novo e uma camiseta pintada por mim no capricho, ele merecia muito mais que isso, por todos os "Vá com Deus, bom trabalho, que o seu dia seja repleto de flores, você é um anjo", de vários meses (pena que nem todos os dias), comprei o tênis vermelho (porque tudo que ele elogiava era vermelho), pintei a camiseta preta com a imagem de Nossa Senhora Aparecida (porque ele usa um escapulário no pescoço com a imagem)...faziam dois dias que eu tentava entregar os presentes, mas quando eu passava ele se cobria, e eu queria que fosse em um dia que  não tivesse que chamá-lo.

Hoje 5:30 da manhã:
- Bom dia Soninha, espero que o seu dia seja repleto de flores.
- Bom dia Paulinho (me sento do seu lado, em cima do papelão), olho pro lado e vejo as roupas do Beto dobradas milimetricamente, como se tivessem sido passadas pela mais caprichosa das mulheres.
- Eu tenho um presente para você Paulinho,  e lhe entrego os dois pacotes, ele dá um grito e diz:
- Perdi a noção de quanto tempo não uso uma roupa e um tenis novo comprado especialmente pra mim, eu não mereço! (olhos cheios de lágrimas e cheiro de pinga).
- Merece sim, você merece muito mais que isso pelas palavras gentis que sempre me disse, pelo respeito que sempre teve comigo, mas eu preciso de perguntar uma coisa e quero que sejas absolutamente sincero comigo, posso perguntar?
- Pode! (respira profundamente, se ajeita para ficar de frente para mim, olha nos meus olhos e em seguida abaixa a cabeça)
- Porque que na maioria dos dias você se esconde quando eu passo, finge dormir? seu bom dia me faz muito bem.
- Porque eu não quero que você sofra, e todas as vezes que eu estou usando algo do Beto eu me escondo para que você não veja para não entristecer seu dia, você não merece tristeza (nesse momento desabei).
- Paulinho, eu te dei porque me fez bem, porque iria fazer muto bem ao Beto, ele esta aqui dentro de mim, eu não o esqueço um minuto, pode usar todos os dias, e por favor nunca mais deixe de me desejar boas coisas durante o meu dia, eu preciso muito de pensamentos positivos para eu continuar minha caminhada.
- Depois que você vira as costas, eu desejo Sônia, você só não ouve...

"Paulo nunca vai saber que eu escrevi isso pra ele, porque não tem acesso, nem sabe o que é internet, talvés nem saiba escrever seu próprio nome, não tem um lar (não sei sua história), mas já nasceu gentil, seus olhos são gentis, sua voz é calma, seus gestos são suaves", (quando chove ele imita o Charlis Chaplin em "Dançando na Chuva")...E eu busco Deus em tudo e das formas mais inusitas possíveis.

O Convido pra ir tomar um café na padaria (ele põe alguns plásticos em cima das roupas e carrega os dois presentes como se fosse um filho que um dia ele quiz ter) tomamos o café, ele me dá um beijo na mão, e eu sigo meu caminho, sinto que os olhos dele me seguem até eu dobrar a esquina (como faz sempre) mas eu não olho para tráz, não quero que ele me veja chorando mais uma vez... ( sinto um misto de alegria e dor), saudades do meu bom José, alegria por ainda existirem "Paulinhos" no mundo...Ele não tem dimensão do bem que me fez...

Paulinho é  meu amigo, me ensinou uma lição, de amor, de carinho, de gratidão que eu jamais vou me esquecer...

GENTILEZA NÃO SE APRENDE, NÃO SE ADQUIRE, OU SE TEM OU NÃO SE TEM...

36 comentários:

lolipop disse...

Sónia...
Este é um dos posts mais bonitos que eu li desde que estou na blogosfera.
Mais ainda...este é um post com o mais verdadeiro do espírito do Natal.
Vou pedir a vc uma coisa, mas por favor sê sincera comigo, e me diz logo se não for da sua vontade e eu entendo, tá?
Eu acho que toda a gente devia ler o que vc escreveu aqui.
Senão toda a gente, pelo menos mais gente...é uma mensagem importante!!!
Por favor, deixa-me levar seu texto para o Banzai, com todos os créditos, obviamente.
Deixa??
Se sim por favor me deixa com urgência um recadinho no Banzai, tá?
Carinhossssssssss

Blog da Fofa disse...

Soninha, o Paulinho te ensinou uma lição que você jamais vai eskecer e vc ensinou a todos nós uma lição de solidariedade, amizade, respeito pelo ser humano. Vc é linda Sônia e o Paulinho tbm. Bjos amiga

Beth/Lilás disse...

Bom dia, Sonia!
Fui ler no blog da amiga Lolipop o seu texto. Fiquei encantada, com os olhos marejados. Vi ali tanta coisa, mais até do que gentileza, mas o grande espírito que reina dentro do mais simples homem.
É verdadeiramente uma lição de vida e um texto que toca os corações para esta época natalina, tão exacerbada nos gastos materiais.
Olhar o próximo, ajudar, fazer o mínimo dentro do muito que possuimos.
Um lindo e abençoado natal é o que lhe desejo!
um abraço carioca

Fernanda disse...

Olá amiga Sónia!

Venho da querida Lolipop e já trago lágrimas nos olhos!
Ainda bem que este seu post foi divulgado e vai chegar a mais gente...
A gente com um coração talvez um pouco menor do que o seu, mas que entenderá a nobreza do seu gesto e a grandiosidade da sua boa alma.

Bem haja.

Beijos

Maria Helena disse...

Querida Lolilop, Querida Sõnia,
Quando dois anjos se encontram na terra, abre-se um espaço de luz que chega a cada um que consegue se conectar ao momento, como eu agora, e há uma energia tão boa que marca para sempre o coração.
Eu me sinto imantada pela energia do amor, da gentileza, da sensibilidade, da compaixão, da solidariedade, do desprendimento... de todas as energias boas do universo.
Eu agradeço a vocês duas por terem me dado o privilégio de compartilhar do caminho de vocês! Amo-as!
Beijos carinhosíssimos!!!!!

Glorinha L de Lion disse...

"Bom dia Sônia, bom trabalho, vá com Deus...vc é um anjo"
Queria repetir essa frase aqui hj Sônia, pq vc merece ouvì-la todos os dias... realmente como a Loli disse, vc mostrou a todos nós, o verdadeiro espírito de Natal! Há muito não leio uma estória tão comovente e linda, ainda mais por ser real!
Fiquei com meus olhos cheios de lágrimas pendentes, que teimavam em cair, enquanto lia seu texto. Sou atéia, não creio em deuses ou anjos. Acredito no amor, no ser humano e na compaixão que vc nos ensinou de maneira tão simples e bela! Um beijo grande, Sônia, vc é, realmente, um anjo em forma de mulher...

Anne Lieri disse...

Sonia,li esse texto no blog da Lolipop e me emocionei até as lágrimas!Só vou dizer uma coisa:lindo!Bjs,

Sônia Cristina disse...

Lolipop, Obrigada, Deus te abençoe grandemente.

Obrigada por fazerem mais pessoas conhecerem a gentileza de Paulinho. Obrigada a cada um de vocês. Vou visitar caa um nos seus blogs.

Hoje Paulinho me contou sua história, mas isso é assunto pra outro post.

pensandoemfamilia disse...

Que lindo, vc poder sair da sua dor e fazer uma caridade que pôs a gentileza em seus dias.
Parabéns, vim aqui através do blog da lolipop.

Bjs.

Tia Ném disse...

Sonia, é com muita emoção que acabo de ler seu texto no Lolipop, um blog que frequento muito, adoro!

Gentileza é uma das virtudes mais raras nesse mundo cão que vivemos hoje. A cada dia me surpreendo mais com as novidades que encontro na blogosfera, mas esse texto superou tudo, principalmente pela época, momento que nos deixa muito sensível com a chegada do Natal.
Voltarei aqui para conhecer seu bloguito melhor num outro momento, viu?
Aproveito para seguí-la e convidá-la para conhecer meu bloguito, eu também adoro fazer o bem, conhecer pessoas assim como você.
Encontrei várias amiguinhas de blog por aqui, adorei!
Feliz Natal, que o próximo seja melhor que este.
Bjos; tia Ném.

papoila disse...

Sónia,
Também eu sou uma amiga da LOlipop, venho aqui deixar um abraço e um xi-coração o seu texto é lindo e a sua história é maravilhosa.
Tudo na vida vai e vem...você dá e recebe...
Felicidades e um optimo novo ano.
xx

MARIINHA disse...

Olá Sónia Cristina
Vi o seu texto no blogue da Lolipop, e venho até aqui para lhe dizer que gostei muito. É este, ou devia ser este o verdadeiro espírito de Natal. Fazer o bem para quem precisa, o amor pelo próximo que nos foi ensinado, mas que é tão pouco praticado. Obrigada, pelo que fez. Deus vai ajudá-la a si e espero que ao Paulinho.
Receba um beijo, desde Lisboa.

Ana SS disse...

Olá, Sônia.
Por recomendação da Lolipop, vim visitá-la. E fiquei. (Como seguidora)

Gentileza é coisa sutil, pequena, que se estrutura a partir da alteridade.

Isso é coisa que nenhum esforço desenvolve.

Belíssimo texto, mas mais belo e incrível, é essa história, é essa Sônia, é esse Paulinho.

Abraço!

Nilce disse...

Oi Sônia
Li a sua história no blog da Loli e fiquei muito emocionada.
Incrível a beleza do ser humano que muitas vezes se esconde de si mesmo.
"Bom dia", "Você é um anjo".

Bjs no coração!

Nilce

Manuela Freitas disse...

Olá Sónia,
De facto este teu conto adapta-se muito bem ao que eu penso que deve ser o espírito de Natal, pensar nos outros verdadeiramente, não só de boca, mas agindo.
Esta história é emocionante e vc revelou ser uma pessoa cheia de sensibilidade, como nós costumamos dizer por cá «uma pessoa muito bonita por dentro».
Bem hajas e um bom Natal para ti, vou-te seguir.
Beijinhos,
Manú

lolipop disse...

Soninha,
Aqui já é tarde...mesmo muito. Mas vou-me deitar feliz...
Obrigada por me ter permitido publicar seu texto!
Bons sonhos amiga!
Carinhos
Loli

Regina Laura disse...

Sônia, que atitude a sua!!!
Que gesto...
Inesquecível para o Paulinho, sem dúvida. Mas também para quem leu esse texto, tenha certeza.
Estou maravilhada.
Seu olhar amoroso conseguiu enxergar esse rapaz, e isso é mágico, é a mais pura expressão de amor.
Lindo demais.
Emocionei aqui, mesmo!
Beijão querida

Irene Moreira disse...

Sonia

Venho do Blog da Lolipop e venho emocionada demais ap´so ler a sua história.

O Paulinho em tudo que relatas ensinou uma lição para todos nós.

Foi difícil conter minhas lágrimas ao ler sua história.

Beijos no seu coração

Lupo disse...

Não quero ler os comentários, por mais vontade que eu esteja sentindo. Quero fazer três coisas:

1. Obrigado Sonia.

2. Dizer que tomei a liberdade de citar seu blog em um post de um blog comunitário que eu participo (http://reflexosespelhandoespalhandoamigos.blogspot.com/2010/12/blogs-que-valem-pena.html)

3. Pedir para que leia um soneto que fiz... http://forati.blogspot.com/2010/10/gentileza.html

Um beijo na alma. Vc é tudo de bom!

EdeA by Ester disse...

Sonia,
Vim atraves do Banzai,
não tenho palavras pra o seu relato, somente um nó na garganta...
Acho também que todos deveriam ler.

Espero que meu pensamento tenha poder pra te desejar mta força, e pra o Paulo em dobro!
beijos
Ester

diariodumapsi disse...

Sonia,
Li seu texto no blog da Loly que nos linkou diretamente para o seu mundo, eu diria sua alma.
Alma generosa, alma despreconceituosa, alma de amor, alma de fraternidade, alma de paz, alma iluminada, alma de superação, alma de natal!
Uma alma iluminada assim, tem na terra a missão de iluminar outras almas, através do seu amor.
Lindo texto, impossível não se emocionar, impossível não chorar!

Boas festas!

Gd beijo

Faa Cintra disse...

Me indicaram... Resolvi passar. Achei lindo, me trouxe uma sensação boa... Passarei por aqui sempre.
Também vou dar uma passada nos posts mais antigos.

Jubs disse...

Quantos Paulinhos encontramos ao longo do caminhar de nossa vida que nos ensina e as vezes damos a costas para aprender. Lindos post. Parabéns!

Lua Nova disse...

Li seu texto no Banzai. Bem, não vou ficar aqui repetindo tudo que já foi dito. Quero apenas te dizer que sigo com vc porque gosto de pessoas inteligentes e sensíveis que estão sempre dispostas a aprender com a vida e que, por isso, acabam se tornando mestres naturais.
Convido-a a conhecer meu blog. Ficarei muito feliz se vc for.
Beijokas e todo meu carinho.
Uma linda semana pra vc. Beijos ao Paulinho.
Seguindo...

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Sônia
Li sua comovente estória no Bonzai, e vim parabenizá-la por esse gesto de amor e solidariedade. Com toda certeza o Beto, onde estiver, estará muito feliz.
Beijos

Lívia Azzi disse...

Olá, Sônia!

Cheguei com muita emoção e lagrimas nos olhos. Também vim visitá-la por recomendação da querida amiga Lolipop. Contou-nos uma história marcante e de sublime reflexão relatando o grandioso sentido de solidariedade.

Abraços!

Astrid Annabelle disse...

Sônia!
Também fiquei emocionada com a sua história. Impossível não ficar. Parabéns!

Apesar de eu ter me concedido uns dias para descansar da rotina dos blogs, estou passando de casa em casa para deixar um beijo e desejar que o seu Natal seja do jeito que sonhou!!! Feliz Natal também para todos os seus!
Antes do final do Ano estarei de volta!!!
Inté lá!
Um beijo na sua alma amiga!
Astrid Annabelle

Teresa Cristina disse...

Sónia, vim ler este lindo relato através do Blog da Lolipop. Que linda amizade e uma lição que gentileza gera gentileza mesmo. Outra coisa linda que vi por aqui é que vc realmente tratou o outro como irmão que o nosso PAI maior nos ensinou. Um grande beijo!!

Lúcia Soares disse...

Sònia, li seu blog todo, emocionada.
Santhiago é o anjo de sua vida. Veio para lhe aquecer, veio na hora certa, porque Alguém sabia que precisaria dele.
Até os cachinhos são de um anjo trazido à terra.
Ele será seu companheirinho, será um pedacinho do seu Beto, para sempre.
Vendo as fotos dos dois, a gente sente que nasceram para ser pai e filho.
Beijo. Prazer enorme em ter chegado até vocês!

vitorchuvashortstories disse...

Olá Sonia!

História tocante esta, entre duas pessoas que, afinal, tinham mais em comum do que a sua diferente condição social à primeira vista deixaria supor.
A vida é uma escola, e com toda a gente podemos aprender; muitas vezes com quem menos esperaríamos...

Um abraço. Feliz natal.
Vitor

Paulo Becare Henrique disse...

Sônia, sou mais um dos que chegou por aqui através do blog da Lolipop. Como a maioria, fiquei muito tocado com seu relato e com sua atitude; quem, hoje em dia, tem um coração suficientemente humano para sentar-se diante de um morador de rua e tratá-lo como o ser humano que ele é. Mas, sobretudo, fiquei profundamente comovido com a grandeza de alma do Paulinho. Acho que ele não só não tem dimensão do bem que te fez, mas também não tem a dimensão do quão grande, rica, profunda, humana e sábia é a própria alma que ele tem.

Parabéns por ter vivido essa experiência e por ter a sensibilidade de relatá-la de forma tão encantadora. A partir de agora, sou um seguidor deste blog.

Ana Luisa disse...

Sônia, você não me conhece e eu nunca tinha visitado o seu blog. Li a sua história no Banzai, que é o blog da minha cunhadinha, e do qual gosto muito Só lhe quero dizer que a sua história é linda, linda, e que enche os corações de quem a lê. Pena que não possamos ser todos assim - gentis, carinhosos, solidários. Pena que O Natal não seja isso aí, em vez daquele consumismo maluco que embriaga toda a gente! Que 2011 seja para si um ano cheio de generosidade, gentileza, solidariedade e tudo o que você merece.
Ana Luísa

ManDrag disse...

Verdade absoluta!

A gentileza é como a bondade, não se aprende; ou vem de nascença ou não se adquire. Porque bondade, tal como a gentileza, não é o gesto encenado, mas um impulso que vem de dentro, da alma e que se expressa voluntariamente.
"Depois que você vira as costas , eu desejo... você só não ouve". Quanta verdade e quanta infinitude de situações idênticas. Também dessas manifestações anónimas e ignoradas se faz a débil harmonia do nosso viver.

Votos de Paz e uma vida abençoada!
E gostaria de te fazer um pedido: quando vires de novo o Paulinho, diz-lhe que um amigo desconhecido lhe manda um grande abraço. Sim, há amigos desconhecidos. Todos nós temos tantos na vida... e são eles que secretamente constroem e partilham da nossa felicidade.

Abraço