Loading

23 de out de 2010

A Persistência...

Depois desse episódio, descobri que não era tão fácil como eu imaginava, (engraçado quanto eu estava lá da vez anterior, vi inúmeros casos, e conosco parecia que era sempre mais difícil) mas eu não ia desistir NUNCA!
O Juíz contatou algumas cidades vizinhas (existe vários lados bons em se nascer em uma cidade minúscula, esse era um deles). Dias depois ele me chamou me falou de várias doações que iriam acontecer nos próximos meses, mas todas muito demoradas e eu queria vir embora pro meu lar.
Dias depois uma moça faleceu de parto, o bebê também se foi, mas ela tinha mais alguns filhos (não me recordo quantos) e o Juíz veio me indagar se eu tinha interesse no menininho de 3 anos, pois o pai não tinha condições de ficar com eles, e iria doar os dois mais novos (muito pobre vivia da roça que nessas alturas não dava nem pra comer), eu o respondi que nunca tinha pensado nessa possibilidade, pois tinha preferência por bebês e principalmente meninas, mas que estava disposta a conversar com seu pai.
Seu pai ficou meio reticente, mas disse que a decisão final era minha,
fui até a casa do pai das crianças (preferi conversar com ele lá do que no Forum) eram crianças lindas filho, ele disse que estava decido e estava fazendo por amor, porém eu vi tanta dor na decisão daquele homem, tanta tristeza em seus olhos, que não tinha a menor condição de dar continuidade. Só rezei e pedi pra Deus que o ajudasse, que não tirasse nenhuma de suas crianças, uma coisa é uma criança de 3 anos que não tem amor se adaptar com outra familia que lhe supra as necessidades básicas e principalmente, que lhe de amor, outra bem diferente era o caso daquela família. Ali tinha amor de sobra, e muito sofrimento pela perda da mãe, só lhes faltava o básico pra viver...
Dias depois outro caso de uma doação consensual em uma cidade próxima (uma familia de ciganos), que a mãe havia feito dois Ultra Som porém não tinha conseguido ver o sexo do bebê, e nesse caso a doação só se concretizaria se fosse uma menina, pois ciganos não doam meninos, ou seja: Um tiro no escuro...
Fui até a cidade, e fomos fazer outra Ultra Som, só que mais uma vez, não deu pra ver o sexo do bebê, mesmo assim lá eu permaneci até o bebê nascer (mas no fundo eu intuia que ia ser um menino, apesar de todos, inclusive a mãe falar que era uma menina)
Em uma madrugada nasceu: Era um menino...
Liguei pro seu pai, e ele meio que me sugeriu a desistência,  pediu pra eu vir até aqui, descansar um pouco, botar as idéias em ordem e depois retornar, eu quase que joguei a tolha, mas naquele momento o meu maior objetivo era realizar o sonho do seu pai, claro que não iria desistir...

1 comentários:

Nina disse...

Escreve um livro Sonia!
Sua história pode ajudar mt gente, que precisa de amor e esperanca.